Artigo em destaque

À medida que avançamos na idade, são muitos os desafios que temos que enfrentar: a morte de familiares e amigos, problemas de saúde, adaptação à reforma, entre muitos outros.

O Desporto e a Relação Social (Tradução de França)

Desporto ou Actividades Físicas? O Desporto é frentemente conotado com uma noção de prática em competição; certamente que a contém mas muitas vezes o instinto de competição exerce-se mesmo ao longo de uma actividade física simples por exemplo no caso de um passeio na montanha: não ficar para trás, não chegar em último até mesmo querer chegar em  primeiro por muitas razões. É muitas vezes  o caso, não é? Admitâmo-lo.

Então qual a diferença? Proponho-vos uma visão social da Actividade Física (AF). Praticá-la num meio enquadrado ou associativo ou num meio ou ambiente próprio é, com efeito, fazer desporto.

O movimento desportivo profere muitas vezes: “fazer desporto é bom, num clube é melhor e o clube é mais que desporto…”

Os benefícios de uma actividade física “regular, racional e razoável” estão provados e são

admitidos por todos

Algumas pessoas permanecem, contudo, afastadas desta prática especialmente por motivos de limitações médicas ou sociais.

A prática de actividades físicas e desportivas (AFD) em França é  bem inferior à dos outros 34 países europeus e americanos com o mesmo nível económico.

No que se refere aos adultos, a inactividade física representa o 2º factor de risco evitável nos países industrializados, depois do tabaco e antes do excesso do colesterol.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), todos os anos no mundo, 3,2 milhões de óbitos podem, no geral, ser atribuidos à falta de exercício físico. Ainda segundo a OMS, nos países industrializados, mais de metade dos adultos não pratica um exercício físico de forma satisfatória.

Os inquéritos realizados desde 2005 mostram que somente 60 a 80 % dos adultos praticam o exercício físico mínimo recomendado (ou seja o equivalente pelo menos a 30 minutos por dia de actividade moderada, pelo menos 5 dias por semana). Além disso, o nível de actividade média das crianças e adolescentes teria diminuido cerca de 40% em alguns décadas. Estes fenómenos podem explicar-se pela evolução recente dos modos de vida, que se tornaram mais sedentários.

Actividade Física & quotidiano Recomendado:

 O Programa nacional nutrição saúde (PNNS) recomenda:

  • pelo menos o equivalente a 30 minutos de caminhada rápida para os adultos.
  • pelo menos o equivalente a uma hora para as crianças e adolescentes

 

Os benefícios da actividade física e Desportiva são porém múltiplos na condição de uma prática regular (semanal ao longo de toda a vida), racional (actividade moderada) e razoável (prevenção do acidente). Esta:

-contribui para o bom desenvolvimento da pessoa e para o crescimento harmonioso dos jovens;

-permite ultrapassar-se a si próprio;

-exerce efeitos favoráveis na saúde mental, reduzindo o stress, a ansiedade e a depressão;

-constitui um elemento terapêutico eficaz no combate ao sedentarismo:

-limita o risco de ganhar peso excessivo e ajuda o seu controlo:

-melhora o bem- estar, a estima de si próprio e das suas competências;

-reduz o risco de doenças crónicas, tais como certos cancros, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, hipertensão arterial...

-previne a osteoporose;

-optimisa o equilíbrio;

-limita a perda da autonomia e o risco de queda das pessoas mais velhas;

-contribui para reduzir a mortabilidade prematura;

-melhora a qualidade de vida das pessoas que sofrem de cancro:

-reduz a taxa de recidiva de certos cancros;

-tem uma influência positiva sobre a actividade assalariada (interrupção do trabalho, absentismo, acidentes de trabalho...)

-favorece os laços sociais:

etc. A lista poder-se-ia alongar, extensamente sobre a importância das AFD.

A actividade física reforça o esqueleto, desenvolve os músculos e a flexibilidade, melhora as funções cardíacas e ajuda a relaxar. Contribui também para prevenir numerosas doenças como as afecções cardiovasculares, o cancro, a diabetes, a obesidade e a osteoporose.

Cuidar (curar) e cuidar ( tomar cuidado)? O nosso vocabulário francês[1] é restrito neste ponto, os anglo-saxões têm 2 termos To CURE & To CARE para este assunto, o lugar de «CARE» ( cuidar de...) é acessível a todos, um dever de cidadão e de respeito por si próprio e pelo o outro.

No Plano Social e económico há necessidade de uma tomada de consciência política na  vontade de agir para desenvolver a actividade física para todos em geral e para certos sectores da população em particular os das pessoas idosas (PI).

Para concluir, retomarei 3 citações:

- a de Bergson: “a inteligência é a capacidade de apresentar uma resposta nova a uma questão nova...”

- a de Pierre de Coubertin: “o desporto não conhece nem paragem, nem recuo... a que pode ele agarrar-se, senão ao valor intrinseco do próprio jogo, às emoções que ocasiona, ao interesse que apresenta ...” 

- a de François de la Roche Foucauld: “é preciso manter uma resolução porque ela serve e não porque se aprecie.”

 

Desejo-vos uma boa e justa prática de actividades físicas e desportivas.

Cuidem de vós para ajudar os outros...

 


 

 

[1] O texto original é francês.

Autor: Doutor Yunsan MEAS, Medicina Física de Reeducação, 13/09/2016

Tradução: Maria Manuela Garcia Correia Henriques